Raul Correia

Just another WordPress.com weblog

Questões sobre Descartes

Posted by Raul Correia em novembro 18, 2008

Descartes

 

1.      Explique as etapas da dúvida hiperbólica e a sua finalidade.

A dúvida hiperbólica é o método utilizado por Descartes como ponto de partida para alcançar o conjunto de princípios fundamentais que constituirão a base de todo o conhecimento verdadeiro. Essa dúvida não é ceticista, pelo contrário, é um método racional de investigação. O objetivo é colocar o conhecimento sobre um fundamento seguro.

A dúvida hiperbólica pode ser dividida em três etapas:

 

·         Argumento dos erros dos sentidos: os sentidos são postos em dúvida, uma vez que eles freqüentemente nos enganam.

·         Argumento do sonho: podemos ser enganados através de nossos sonhos, pois enquanto estamos sonhando acreditamos estar a viver uma situação real. Não encontrando nenhum indício pelo qual possamos distinguir com segurança a vigília do sono.

·         Argumento do Deus Enganador e do Gênio Maligno: Descartes acreditava existir um Deus que tudo pode e por quem foi tudo foi criado; esse Deus poderia nos enganar, fazendo-nos acreditar que tudo existe quando a realidade é diferente. Para quem prefere negar a existência de Deus, ele supõe a existência de um Gênio Maligno, e que todas as coisas exteriores que vemos são apenas ilusões e enganos de que ele se serve para surpreender nossa credulidade.

 

2.      Pode-se dizer que Descartes é um cético? Explique.

Por ter cultivado a dúvida como meio de se desembaraçar das certezas adquiridas sem o exercício metódico da razão, Descartes é, quanto a esse aspecto, comparado aos céticos, mas Descartes se distingue dos céticos na medida em que não julga que a certeza seja impossível de atingir.

Descartes não cultiva a dúvida apenas como forma de percorrer as certezas infundadas e constatar a relatividade daquilo que os homens têm admitido como verdade. A dúvida é um percurso com direção e objetivo, que consiste precisamente no ponto de chegada como ponto fixo, pois se o ponto de chegada da dúvida for um ponto fixo, ele será o ponto de partida do conhecimento.

 

3.      Qual é a primeira certeza alcançada por Descartes? Explique.

Ele chegou à conclusão de que duvidava de tudo e que isso é a única coisa de que se pode ter uma certeza absoluta. Com isso, um fato se torna claro, do qual ele pode ter toda a certeza: duvida.

Mas se duvida, tem que concluir que pensa, e se pensa tem de concluir que é um ser pensante. Ou, como ele próprio diz: “cogito, ergo sum” (penso, logo existo).

 

4.      O que significa dizer que Descartes é um mecanicista? Explique.

Descartes é “dualista”, e isso significa que ele traça uma clara linha de separação entre a realidade espiritual e a realidade em extensão.

Em relação à realidade em extensão, ele tem dela uma concepção mecanicista. Ele chegou à conclusão de que o homem é um ser duplo que pensa e ocupa espaço. O homem tem uma alma e um corpo extenso. Para ele, enquanto a alma está no corpo, ela fica ligada com este através de um órgão do cérebro, uma glândula, na qual se dá uma reação constante entre o espírito e a matéria.

Descartes comparava o corpo com uma máquina ou um autômato, o motivo da comparação é o fato de que as pessoas daquele tempo estavam completamente fascinadas com as máquinas e os mecanismos dos relógios. A palavra “autômato” designa precisamente algo que se move por si mesmo.

 

5.      De mo breve, indique as principais características dos seguintes eventos que antecederam a física cartesiana: A Revolução Copernicana e a Física Galilaica.

Em 1510, Nicolau Copérnico rompe com mais de dez séculos de domínio do geocentrismo. No livro Commentariolus diz pela primeira vez que a terra não é o centro do universo e sim um entre outros tantos planetas em torno do sol.

A revolução copernicana se consolida apenas um século depois, com as descobertas telescópicas e a mecânica de Galileu Galilei.

O principal efeito dessa teoria criada por Copérnico e fundamentada por Galileu para Descartes foi o estabelecimento da dúvida como o ponto de vista científico moderno.

 

6.      Explique detalhadamente a finalidade do método cartesiano e as suas quatro regras.

Descartes acreditava que as gerações diferentes ao longo de séculos tinham seguido o mesmo método, e isso fez com que a ciência não tenha sido mais que o mero acúmulo de opiniões. E não uma construção a partir de fundamentos metodicamente estabelecidos e seguidos de deduções também metodicamente conduzidas.

Assim, descartes formula um novo método dividido em quatro partes:

 

·         Clareza e distinção: essa regra supõe duas atitudes daquele que busca a verdade. De um lado, deve evitar a prevenção, isto é, não formular juízos a partir de preconceitos e prejulgamentos ou de opiniões simplesmente recebidas; de outro lado, evitar igualmente a precipitação, ou seja, não efetuar um juízo até que a ligação entre os termos representados apareça com inteira clareza e total distinção.

·         Análise: pressupõe a anterioridade dos elementos simples sobre as composições. Trata-se de uma idéia tradicional da filosofia, mas Descartes confere a ela um teor matemático, já que a divisão das dificuldades é pensada por ele segundo o modelo da decomposição de equações complexas ou da redução de múltiplos aos seus multiplicadores.

·         Ordem: essa regra permitirá a dedução como forma de ampliar o saber. A importância da ordem está em que cada elemento que entra no sistema deve ser valor à posição que ocupa num determinado conjunto. Por isso o encadeamento é essencial para a demonstração da verdade.

·         Enumeração: o preceito da enumeração pode ser visto, em parte, como síntese, já que percorre em sentido inverso o caminho feito pela análise, numa recuperação da visão da totalidade do conjunto. Ou seja, proceder a revisões e enumerações completas, para ter a certeza de que todos os elementos foram considerados.

 

7.      Por que para Descartes é mais fácil provar a existência da alma que do corpo? Explique.

De acordo com a dúvida hiperbólica, chegamos à conclusão de que todo o conhecimento adquirido através dos sentidos é falso, assim o corpo também é uma dúvida e sua existência não pode ser considerada como verdadeira.

Através da primeira verdade adquirida por Descartes – eu penso, logo existo – ele supõe que não existe corpo algum e que não havia qualquer mundo, mas que nem por isso podia supor que ele, ser pensante, não existia; compreendeu com isso que ele era uma substância cuja essência ou natureza consiste apenas no pensar, e que, para ser, não necessita de nenhum lugar, nem depende de qualquer coisa material. Assim, esse eu pensante é tido como a “alma”. Esse fato infere a Descartes a comprovação da existência da alma mesmo na ausência do corpo físico.

 

 

 

 

 

 

 

Uma resposta to “Questões sobre Descartes”

  1. felipe said

    mto bom, parabéns

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

 
%d blogueiros gostam disto: