Raul Correia

Just another WordPress.com weblog

Questões sobre: David Hume

Posted by Raul Correia em dezembro 11, 2008

david-hume

David Hume

 

1.      O que é empirismo? Explique as principais diferenças entre o empirismo e o racionalismo.

Empirismo, do grego “empeiria” (experiência), afirma que a origem do conhecimento é a experiência. A fonte do conhecimento é experimental, porque não há patrimônio a priori da razão. O sujeito cognoscente extrai seus conteúdos da experiência.

Já o racionalismo é uma doutrina que privilegia a razão dentre todas as faculdades humanas, considerando-a como fundamento de todo conhecimento possível. Considera que o real é em última análise racional e que é, portanto, capaz de conhecer o real e de chegar à verdade sobre a natureza das coisas.

 

2.      Quais são, segundo Hume, as três maneiras de associar idéias? Indique exemplos.

Hume considera evidente a existência de um princípio de conexão entre diversos pensamentos ou idéias da mente, e que, ao surgirem à memória ou à imaginação, eles se introduzem uns aos outros com um certo grau de método e regularidade. Então Hume apresenta os princípios de associação, são eles:

·         Princípio da Semelhança: os estados psíquicos tendem a evocar os estados (idéias ou imagens) anteriores que lhes são semelhantes.

Ex.: Um quadro conduz naturalmente nossos pensamentos para o original.

·         Princípio da Contigüidade (no tempo e no espaço): dos estados psíquicos podem evocar-se quando foram pensados ao mesmo tempo ou um em seguida ao outro.

Ex.: Quando se menciona um apartamento de um edifício, naturalmente se introduz uma investigação ou uma conversa sobre seus cômodos.

·         Princípio de Causalidade: tal estado psíquico implica os estados anteriores, pois a regularidade, as associações por “semelhança” e “contigüidade” ao repetirem-se por muitas vezes, isto é, repetirem-se as mesmas impressões; decerto ocorrerá que quando se pensar em tais impressões, inevitavelmente surgirá à idéia de outra por sucessão.

Ex.: Se pensamos acerca de um ferimento, quase não podemos furtar-nos a refletir sobre a dor que o acompanha.

 

3.      Qual a diferença entre relações de idéias e questões de fato?

·         Relações de Idéias: tal proposição existe apenas na operação do pensamento e não depende de algo existente em alguma parte do universo, daí resulta que afirmações análogas são verdadeiras e independem da natureza (ou experiência). Encontramos a geometria, álgebra e toda intuição certa.

Ex.: Que três vezes cinco é igual à metade de trinta exprime uma relação entre estes números.

 

·         Questões de Fato: Hume considera que os objetos da razão humana são determinados de outro modo; ele acredita que o contrário de um fato qualquer é sempre possível, pois, além de jamais implicar uma contradição, o espírito o concebe com a mesma facilidade e distinção como se ele estivesse em completo acordo com a realidade.

Ex.: Que o sol não nascerá amanhã é tão inteligível e não implica mais contradição do que a afirmação que ele nascerá.

 

4.      Explique porque, segundo Hume, não há nada na causa que indique seu efeito.

Para Hume, todos os nossos raciocínios sobre os fatos são da mesma natureza; e supõe-se que há uma conexão entre o fato presente e aquele que é inferido dele, ou seja, a relação de causa e efeito. Hume sustenta que o conhecimento da relação causa e efeito não é, em nenhum caso, alcançado por raciocínios a priori, mas provém inteiramente da experiência, quando encontramos que objetos particulares quaisquer apresentam uma conjunção constante uns com os outros. Portanto, diante de objetos, de suas qualidades sensíveis, jamais poderemos inferir racionalmente quais objetos ou eventos são suas causas ou serão seus efeitos. As causas e efeitos não podem ser descobertos pela razão, e sim, pela experiência (vivenciada).

 

5.      Explique o título da parte 4 do texto do Hume.

Hume divide todos os objetos da razão humana em duas partes, “relações de idéias” e “questões de fato”. É a necessidade ou não da experiência que determina em qual grupo se encontra determinado fato. A primeira independe da experiência, como a geometria ou álgebra; já a segunda depende da experiência, e sendo assim, não temos uma certeza absoluta de se tal conhecimento é verdadeiro, temos apenas experiências de causa e efeito que são continuamente repetidas. Como por exemplo, se nunca tivéssemos visto a luz do dia, ao experimentarmos a claridade do sol não teríamos como afirmar que este sol voltaria no dia seguinte. Mesmo após termos experiência das operações de causa e efeito, as nossas conclusões a partir desta experiência não estão fundadas no raciocínio ou em qualquer processo do entendimento. Assim, todos os argumentos concernentes à existência se fundam na relação de causa e efeito; que o nosso conhecimento desta relação deriva inteiramente da experiência e que todas as conclusões experimentais derivam da suposição de que o futuro será idêntico ao passado, isso resulta em um ceticismo sobre as operações do entendimento.

2 Respostas to “Questões sobre: David Hume”

  1. LUZIA said

    Sou professora de Filosofia e o material do governo deixa muito a desejar para o nosso trabalho. Estou me valendo do texto acima para trabalhar com os alunos das primeiras série do ens. médio sobre Hume (causa e efeito) Amei este texto acima citado é maravilhoso bem didático.Prazer em conhecelo-Raul Correia.OBRIGADA.

  2. sarah del cabron said

    caray, mt massa. mas nao entindi nada

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

 
%d blogueiros gostam disto: